Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Cidade de Maputo: Homens marcham contra violência

A REDE HOPEM promoveu no passado sábado, na cidade de Maputo, um evento cultural de sensibilização de homens jovens e mais velhos sobre a problemática da violência contra a mulher e rapariga. O evento foi antecedido por uma marcha de homens contra a violência da mulher e rapariga.

O evento, denominado “16 horas Sem Violência”, compreende várias disciplinas de arte, nomeadamente música, dança, poesia, teatro, “stand up comedy”, dentre outras expressões artísticas ao mesmo tempo e no mesmo espaço.

O “16 dias de activismo contra a violência” é comemorado anualmente no mundo inteiro, incluindo Moçambique. Trata-se de uma campanha global dedicada a acabar com a violência baseada no género.

O Centro para a Liderança Global da Mulher (CWGL, em inglês) é o coordenador global. O início da campanha é o dia 25 de Novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência Baseada no Género e termina no dia 10 de Dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Estas datas foram escolhidas para destacar que a violência baseada no género é uma violação dos direitos humanos.

Gilberto Macuácua, coordenador da Rede Homem, explicou que a campanha tem conhecido sucesso por causa do activismo de milhões de mulheres e de dez mil organizações em todo o mundo, que estão comprometidas a acabar com a violência baseada no género.

A Rede Homens pela Mudança, abreviadamente designada por HOPEM, é uma entidade sem fins lucrativos, composta por 25 organizações e activistas da sociedade civil moçambicana trabalhando para afirmação dos direitos humanos de homens, mulheres e crianças moçambicanos.
O principal foco das intervenções da Rede HOPEM assenta no envolvimento positivo de homens para o questionamento de formas e modelos de pensar, agir e de ser discriminatórios ou prejudiciais relacionados à masculinidade, assim como na construção de identidades alternativas.

A nova lei contra a violência doméstica, em vigor desde 2009, classifica como crime público a agressão física, psicológica e sexual.
Dados oficiais do Gabinete de Atendimento à Mulher e Criança indicam que só nos primeiros seis meses deste ano foram registados mais de 12 mil casos, dos quais oito mil contra mulheres e pouco mais de mil tiveram como vítimas indivíduos do sexo masculino.

A frustração, devido às dificuldades sociais de vária ordem, é apontada como o principal factor que está por detrás do crescimento da onda de violência doméstica.
publicado por Jornal NMz Moçambique às 14:18
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
18
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Vandalizada sede do MDM

. Professores de nível supe...

. Raios mataram oito pessoa...

. Saúde preocupada com elev...

. Enfermeiros reúnem-se par...

. Ministro exonera deputado...

. Caso sequestros: Ministro...

. Em plena consulta: Explos...

. Oposição critica “insensi...

. Jorge Khálau reconduzido ...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

.tags

. todas as tags

.favorito

. CIDADE DE TETE, VENDA DE ...

. BREVE HISTORIAL DE NOTÍCI...

. MOVIMENTO NMOZ:: Juntos ...

blogs SAPO

.subscrever feeds