Domingo, 4 de Novembro de 2012

“Chapeiros da rota Benfica-Baixa” chantageiam a Polícia

ALGUNS transportes da rota Baixa-Benfica paralisaram temporariamente a actividade na sexta feira, contrariados pela acção da Polícia Municipal por aplicar multas devido ao encurtamento de rotas.


Os “chapeiros” alegam que a Polícia os autua por encurtamento de rota quando às primeiras horas do dia eles abandonam a terminal da baixa da cidade vazios, supostamente por não existirem passageiros, começando a embarcar na zona da Brigada Montada, no início da Estrada Nacional número um (EN1).

Nesse sentido e para pressionar as autoridades municipais a abrandarem a pressão contra os encurtamentos, os transportadores parquearam as suas viaturas, na sua maioria de 15 lugares, na zona de 25 de Junho e no Benfica, a partir das 9.00 horas de ontem.

Como resultado, centenas de passageiros que pretendiam se deslocar de um ponto ao outro entre Baixa e Benfica ficaram horas a fio nas paragens e na sua maioria nem sequer sabiam das razões por detrás do fenómeno.

De acordo com os “chapeiros”, às primeiras horas do dia não há passageiros que pretendam sair do centro da cidade em direcção à Benfica, pelo que se limitam, como disseram, em desembarcar os que vêm da periferia, saindo vazios até à zona da Brigada Montada, onde começam a entrar passageiros. Ao que contaram, é nessa altura que a Polícia Municipal aplica multas, acusando-os de estarem a encurtar a rota.
Entretanto, a alegação dos condutores do “chapa” foi categoricamente desmentida por alguns munícipes entrevistadas ontem nas terminais da baixa que disseram viver diariamente o drama de chapas que, com a vinheta indicando Baixa-Benfica, só embarcam passageiros que vão até à Brigada Montada e de lá outros para Benfica.

Lázaro Valoi, porta-voz da Polícia Municipal, desdramatizou a situação, explicando que a confusão começou quando três “chapeiros” que partiam de Benfica tentaram desembarcar todos os passageiros na Brigada Montada e foram surpreendidos pelas autoridades que os penalizou em mil meticais cada. Em jeito de retaliação, começaram a influenciar os seus companheiros para que paralisassem a actividade, o que aconteceu por algumas horas.

Os transportadores que aderiram à acção, acabaram por retomar paulatinamente o trabalho e já à tarde a situação tinha sido normalizada.
Aquela não foi a primeira vez que os “chapeiros” de uma determinada rota de Maputo ou Matola paralisaram o trabalho, alegando a “perseguição” da Polícia Municipal. O fenómeno vai se tornando cada vez mais frequente, numa altura em que os dois municípios ainda não dispõem de empresas públicas à altura de fazer face à grande demanda de transporte.
publicado por Jornal NMz Moçambique às 09:47
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
18
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Vandalizada sede do MDM

. Professores de nível supe...

. Raios mataram oito pessoa...

. Saúde preocupada com elev...

. Enfermeiros reúnem-se par...

. Ministro exonera deputado...

. Caso sequestros: Ministro...

. Em plena consulta: Explos...

. Oposição critica “insensi...

. Jorge Khálau reconduzido ...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

.tags

. todas as tags

.favorito

. CIDADE DE TETE, VENDA DE ...

. BREVE HISTORIAL DE NOTÍCI...

. MOVIMENTO NMOZ:: Juntos ...

blogs SAPO

.subscrever feeds