Quinta-feira, 11 de Outubro de 2012

UEM SUSPENDE NOVOS INGRESSOS NA ESCOLA SUPERIOR DE DESENVOLVIMENTO RURAL

A Universidade Eduardo Mondlane (UEM), o maior e o mais antigo estabelecimento de ensino superior em Mocambique, cancelou a admissão de novos ingressos para a Escola Superior de Desenvolvimento Rural (ESUDER), em Vilankulo, Inhambane, sul do pais, por falta de infra-estruturas próprias e de condições para acolher novos estudantes.

Segundo o “Noticias”, a medida tomada na II sessão ordinária do Conselho Universitário, alarga-se aos cursos à distância das faculdades de Economia e Educação da UEM por os estudantes não estarem a conseguir terminar a formação e abrir espaços para novos ingressos.
A suspensão da admissão de novos ingressos para estes cursos foi anunciada depois de a UEM ter lançado, recentemente, as candidaturas de acesso a cerca de quatro mil vagas para ingresso, próximo ano, aos diferentes cursos leccionados na universidade.

O porta-voz da UEM, Joel Tembe, que deu estas informações quarta-feira em conferência de imprensa, explicou que a admissão de novos ingressos foi cancelada porque a escola continua em instalações emprestadas, onde funciona a Escola Secundária do distrito.

“O funcionamento era provisório em instalações emprestadas enquanto decorria a construção de infra-estruturas próprias, mas devido aos cortes no orçamento não foi possível avançar com o plano e a escola continua sem edifício”, disse Tembe.

Acrescentou que a medida também foi tomada porque a falta de instalações próprias também dificultou a instalação de laboratórios para aulas práticas e de alojamento para os estudantes.

“Continuamos a partilhar instalações com a Escola Secundária de Vilankulo e por se tratar de dois níveis de ensino diferentes já não há condições adequadas para se prosseguir tranquilamente com a formação”,afirmou.

Garantiu que a suspensão da admissão de novos ingressos vai permanecer até que seja solucionado o problema sem, no entanto, se referir a prazos uma vez a iniciativa consta do plano estratégico da UEM.
Disse também que em relação aos cerca de 1300 estudantes que continuam a frequentar os cursos leccionados naquela escola deverão continuar a estudar até concluírem a sua formação.
Em relação ao ensino à distância nas faculdades de Economia e de Educação, Joel Tembe referiu que a medida visa descongestionar os cursos, actualmente com 780 estudantes.

“Queremos criar condições para garantir o fluxo pedagógico e permitir que os estudantes terminem os cursos a tempo daí a decisão do conselho de não admitir novos ingressos”, explicou.
publicado por Jornal NMz Moçambique às 10:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
18
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Vandalizada sede do MDM

. Professores de nível supe...

. Raios mataram oito pessoa...

. Saúde preocupada com elev...

. Enfermeiros reúnem-se par...

. Ministro exonera deputado...

. Caso sequestros: Ministro...

. Em plena consulta: Explos...

. Oposição critica “insensi...

. Jorge Khálau reconduzido ...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

.tags

. todas as tags

.favorito

. CIDADE DE TETE, VENDA DE ...

. BREVE HISTORIAL DE NOTÍCI...

. MOVIMENTO NMOZ:: Juntos ...

blogs SAPO

.subscrever feeds