Quarta-feira, 10 de Outubro de 2012

Uso de medicamentos tradicionais aumenta complicações de partos no centro de Moçambique

O aumento de casos de partos complicados, devido ao uso de medicamentos tradicionais, está a preocupar as autoridades do principal hospital de Manica, no centro de Moçambique, disse hoje à Lusa fonte oficial.

Adriano Guirrugo, ginecologista obstétrico do Hospital Provincial de Chimoio (HPC), disse haver uma tendência de aumento de casos de partos complicados, originados pela ingestão de drogas tradicionais, que chegam a elevar a tensão arterial e convulsões antes do parto e à rotura de úteros e patologias graves.

"As complicações, no anteparto, que mais ocorrem são a hemorragia, descolamento da placenta, rotura uterina, devido ao arrastamento do parto, que não ocorre no hospital por várias razões, e ao uso de medicamentos tradicionais para potenciar o parto", disse Adriano Guirrugo, sem indicar números.

Outra situação, referiu, é o aborto, sobretudo induzido por meios ilícitos, que termina também com grandes complicações como hemorragias e é, muitas vezes, difícil de tratar e "leva muitas jovens e mulheres à morte".
"Temos registado muitos casos em que a pessoa vem em estado grave e, quando perguntamos, dizem que tomaram medicamentos tradicionais", disse Guirrugo.

Na semana passada, pelo menos cinco casos de complicações de parto deram entrada na maior unidade de referência na província de Manica. Outros foram transferidos para o Hospital Central da Beira (HPC), a referência regional do centro do país.
"Há casos de elevação arterial durante o parto, o que leva a um quadro grave, associado às convulsões, que não tem nada a ver com a malária", afetando muitos órgãos vitais como cérebro, fígado e rins e muitas vezes levando à morte, ainda segundo a mesma fonte, em muitos destes casos, um dos maiores constrangimentos é a carência de medicamentos para tratar as patologias, sobretudo os antibióticos.

As autoridades de saúde têm desenvolvido palestras educativas nas unidades sanitárias para desencorajar o uso de medicamentos tradicionais, sobretudo nas vésperas do parto, e proibir as gestantes de entrar com líquidos estranhos nas maternidades, mas há resistência devido às crenças locais.
publicado por Jornal NMz Moçambique às 10:06
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
18
20
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Vandalizada sede do MDM

. Professores de nível supe...

. Raios mataram oito pessoa...

. Saúde preocupada com elev...

. Enfermeiros reúnem-se par...

. Ministro exonera deputado...

. Caso sequestros: Ministro...

. Em plena consulta: Explos...

. Oposição critica “insensi...

. Jorge Khálau reconduzido ...

.arquivos

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

.tags

. todas as tags

.favorito

. CIDADE DE TETE, VENDA DE ...

. BREVE HISTORIAL DE NOTÍCI...

. MOVIMENTO NMOZ:: Juntos ...

blogs SAPO

.subscrever feeds